North Korea at the North Sea?

Yesterday, both Houses of Dutch Parliament jointly opened the parliamentary year, which is always held on the third Tuesday in September, and is known as “Budget Day.” Normally, there is not much pomp and glory in the Low Lands, but on “Little Princes Day” (as the day is literally called), we go all-out: the King and Queen are driven in a horse-pulled carriage to the Hall of Knights, the oldest part of the parliamentary buildings (built around 1250), surrounded by military troops in full ceremonial dress. The King reads his speech (actually written by and under full political responsibility of the Prime Minister and cabinet) from a huge throne, announcing the government’s plans for the next year. Male ministers in morning coats, ladies in dresses and hats, with the powerful elites also assembled.

king and queen
King Willem-Alexander and Queen Maxima entering the Hall of Knights (source)

After the reading, the Royal couple make their way back to one of their palaces in the centre of The Hague, returning once to greet the masses from the balcony.

Meanwhile, the Minister of Finance officially presents the 2018 budget to the Lower House. The separate budgets of all departments are laws, which will have to pass both Houses before 31 December. This process is normally preceded by a two day debate on “the general state of the country,” but this year it is skipped because there is only a caretaker government in office. It awaits the finalization of negotiations for a new government, which started right after the elections on 15 March. Still no government is formed, although it is widely expected that a four-party coalition will be presented within a few weeks, consisting of small Christian left wingers, centre Christian Democrats, and two social liberal parties, D66, and Prime Minister Mark Rutte’s VVD.

Although much improved since the low point of the Great Recession, around 2011-2012, the public finances are still shocking from a classical liberal perspective. The income of the national government is 285 billion Euro (around 338.5 billion USD), which is 43% of GDP.

It consists mainly of several mandatory insurance premiums for collective arrangements (112.2 billion Euro), income tax (55.4 billion; the highest bracket of 51.5% tax applies to all personal income over 68.507 Euro), and VAT (52.8 billion). The rest are mainly specific taxes, related to companies, the environment, excises, dividends, et cetera. In 2011, the public share of GDP was still 47%, while in the 1980s it reached peaks of around 60%. Not exactly anywhere near an ideal liberal situation, no matter what liberal persuasion you are. Personally, I would argue that 25% should be the max for a decent set of state tasks, but I am sure that makes me some weird Northern European commie in some American libertarian eyes!

The situation is even more dire if we see where that money is spent. Health care (80.4 billion euro) and social security (79 billion) are always in competition as the largest spending departments. So that is 56% of the budget already and both increase annually, no matter the economic circumstances. The third post is public education (35.4 billion), followed by funds for provinces and municipalities (24.4 billion), foreign affairs and foreign aid (12), police and judiciary (10.3), defense (8.4), and infrastructure and environment (also 8.4), with the other departments taking parts of the rest. Despite a very rare expected budgetary surplus of 7.8 billion in 2018, the national debt is still 53.7% of GDP. Perhaps not bad in international comparison, still not good for any liberal.

These numbers are only part of the story, because there are also numerous local taxes, and the number of liberty-inhibiting regulations, from European, national, provincial and local origin are staggering. There is not one really free market, and there are hardly parts of individual life not regulated or influenced by the state. A comparison with North Korea is of course still far-fetched, yet socialism is alive and kicking on the North Sea shores.

In my view it is evidence of the remarkable power of capitalism that The Netherlands is still one of the richest countries on earth, a global top 15 economy (GDP per capita), with only 17 million inhabitants. No matter how hard you curb it, the capitalist system still delivers amazing results. Of course, the opportunity costs of the Dutch regulatory state are very high. In terms of personal liberty there are not many better places on the planet. Yet in other fields it is a different story. Economic freedom is a mess, which means that the material aspects of personal freedom are seriously restricted. Yet the worst is the mentality. Sadly, most Dutch have traveled the whole Hayekian Road to Serfdom, making a shift to classical liberalism highly unlikely.

Advertisements

Is Socialism Really Revolutionary?

A central feature of Karl Marx’s thought is its teleological character: the world walks inexorably towards communism. It is not a question of choices. It is not a question of individual decisions. Communism is simply the direction in which the world walks. Capitalism will collapse not because of some external force, but because of its own internal contradictions (centrally the exploitation of the workers).

I don’t know exactly what History classes are like in other countries, but in basically all my academic trajectory I was bombarded with some version of Marxism. Particularly as far as my country was concerned, the question was not whether a socialist revolution would happen, but why it was taking so long! Looking at events in the past, the reading was as follows: the bourgeoisie overthrew the Old Regime in the French Revolution. At that time the bourgeoisie were revolutionaries (and therefore left-wing). However, overthrowing the monarchy and establishing a constitutional government, the bourgeois became advocates of the new order (and therefore, reactionary, or right-wing). Socialists have become the new revolutionaries, the new left, the new radicals.

This way of seeing history has a Hegelian background: there are no absolutes. History moves through a process of thesis, antithesis, and synthesis. History’s god is learning to be a god. I’ve written earlier here about how this kind of relativistic view does not stand on its own terms. Now I would like to say that this way of looking at history can be intellectually dishonest.

According to the historical view I have learned, there is no absolute of what is left or right. One political group is always to the left or to the right of another, depending on how much this group is revolutionary or reactionary. Thus, the bourgeois were revolutionaries at one time, but today they are no longer. But what happens when the Socialists come to power? Do not they themselves become reactionary, defenders of the status quo? According to everything they taught me, no. The revolution is permanent. My assessment is that at this point they are partly right: the revolution must be permanent.

Socialists can not take the risk of becoming exactly what they fought at the first place. In practice, however, this is not the case: the Socialists occupy the posts of the state and begin to defend their position and these positions more than anything else. That’s what I see in my country today. In practice, it is impossible to be revolutionary all the time, just as it is impossible to be relativistic in a consistent way. I have not yet met a person who, looking at the red light, said “but to me it’s green and all these other cars are just a narrative of patriarchal society.”

Politics is unfortunately, for the most part, simply a search for power. Even the most idealistic groups need the power to put their agendas into practice. And experience shows that once installed in power, many idealistic groups become pragmatic.

Socialism is not revolutionary. It is only a reaction against the real revolution that is capitalism defended by classical liberalism. Classical liberalism says: men are all equal, private property is inviolable, exchanges can only occur voluntarily and no one can be forced to work against their will. Marxism responds: men are not all the same (they are divided into classes), private property is relative (if it is in the interest of the collective I can take what was once yours) and you will work for our cause, whether or not you want to. In short, Marxism is a return to the Old Regime.

A beautiful bit of small world mojo

The first time I went to Boston was to look for an apartment. On my last day I was hanging around Downtown crossing. Gmail confirms it was June 12th, 2010. I was having a polish sausage, and this guy approached me. I don’t remember what we talked about, but we chatted for a few minutes. Good town. That sort of thing is exactly what I’d expect in SLO (Central Coast California) or Santa Cruz… but this was in a place with a skyline! Anyways, he wasn’t in a cult and I didn’t get robbed.

Flash forward to some time that fall. I was in Inman Square and saw a chair left on the curb for anyone who needed a chair. I needed a chair. I lived in Union Square, but that was just the next neighborhood north (if I lived on Prospect Hill, there’s no way that chair would have made it, but I might have realized that before picking it up). So I pick up this chair and walk. Google Maps puts my route at 0.5 miles. I got a couple blocks short of that before I crap out. Fortunately I’ve got a place to sit down. So I’m sitting in an easy chair on the sidewalk, hauling it forward a few yards, and plopping down again.

Across the street, someone’s trying to get my attention. He comes over, and he’s the guy I’d randomly met months earlier. He lives across the street from me! And he helps me carry home my chair. We have a beer and chat.

Flash forward to Thanksgiving of that fall. I’m hanging out by myself. This is my first Thanksgiving alone. Neighbor guy knocks on my door and invites me over. Inside are a bunch of his musician friends, and this fantastic music is coming from one of the bedrooms. An impromptu jam session is playing the sort of dusty sounding blues I’m enamored with at the time. After they finish I mention that it sounds like this African blues guitarist, Ali Farka Toure. It turns out I pronounced his name right, because I’m immediately informed that his son was playing guitar just now!

Just now I was listening to Spotify, and a song reminds me of another song which led me to the song above from that album I’d bought when I lived in SLO and was trying to be worldly. Absolutely fantastic music, a mish-mash of cultural influences bouncing back and forth around the world, and I got to experience something of it first hand because of the grace and generosity of a fellow human.

But more than that, a mix of technology, globalization, and absolutely random chance created that beautiful memory and triggered it again just now. We live in a beautiful world.

Alguns mitos, equívocos e objeções comuns ao capitalismo parte 2

Continuando um post antigo, seguem mais alguns mitos, equívocos e objeções comuns ao capitalismo.

Três mitos a respeito da Grande Depressão e do New Deal

Mito #1: Herbert Hoover praticava o laissez-faire, e foi sua falta de ação que levou ao colapso econômico.

Na verdade Herbert Hoover era tremendamente intervencionista na economia. Sua intervenção cooperou para o início da depressão e sua continuada intervenção evitou que a economia se recuperasse logo.

Mito #2: o New Deal trouxe fim à Grande Depressão.

Longe de ser uma série de medidas coerentes contra a depressão, o New Deal foi uma tentativa de Frank Delano Roosevelt de demonstrar que estava fazendo alguma coisa. As medidas do New Deal apenas agravaram e prolongaram a crise. Países que adotaram uma postura menos intervencionista se recuperaram da crise mais rápido do que os EUA.

Mito #3: A Segunda Guerra Mundial deu fim à Grande Depressão.

Talvez este seja o pior mito de todos: a produção industrial no contexto da Segunda Guerra gerou empregos, aumentou o PIB, e com isso acabou com a Depressão. Conforme Friedrich Hayek afirmou, “da última vez que chequei, guerras apenas destroem”. Este mito é uma aplicação da falácia da janela quebrada, observada por Frédéric Bastiat. Guerras não produzem riqueza. Na verdade elas a destroem. O exame cuidadoso dos dados históricos demonstra que a economia dos EUA só se recuperou realmente quando a Segunda Guerra Mundial já havia acabado.

Mais alguns mitos, equívocos e objeções comuns ao capitalismo:

1. Capitalismo é racista e sexista

Considerando o capitalismo economia de livre mercado, onde indivíduos são livres para escolher, nada poderia estar mais longe da verdade. O capitalismo assim definido é cego para raça ou gênero. O que importa é a troca de valores. Para ficar em apenas um exemplo, as lideranças políticas do sul dos EUA pressionavam os donos de empresas de ônibus a segregar os passageiros com base na cor da pele. Os próprios empresários de ônibus queriam ganhar dinheiro com transporte de pessoas, independente da cor da pele. Apenas uma observação: recusar serviço com base em cor de pele, gênero, orientação sexual ou qualquer outro motivo é uma prerrogativa do indivíduo dentro do capitalismo. Leve seu dinheiro para uma instituição que o receba. A instituição que recusa serviço está perdendo dinheiro, e neste sentido já recebeu a punição dentro do capitalismo.

2. Capitalismo tende a bolhas e pânico

Esta é uma observação presente tanto em Marx quanto em Keynes. Conforme observado nos mitos sobre a Grande Depressão e o New Deal, exatamente o oposto é verdade. Conforme a Escola Austríaca em geral e Friedrich Hayek de forma especial observaram, é a intervenção do governo, particularmente no setor bancário e financeiro, que produz bolhas e pânico. A tentativa do governo de estimular a economia através de juros baixos e outros artifícios apenas cria ciclos de crescimento e queda. Milton Friedman e a Escola de Chicago fizeram observações semelhantes. Deixada livre a economia é de certa forma imprevisível, mas através do sistema de preços podemos nos guiar sobre quando e no que é melhor gastar.

3. Capitalismo não investe em coisas importantes

É difícil saber o que seria um investimento importante. Somente indivíduos podem avaliar o que é importante para eles mesmos. O raciocínio aqui é que há investimentos de longo prazo, que custam muito dinheiro e não produzem resultado imediato. Capitalistas não investiriam em voos espaciais ou na cura de doenças, por exemplo. Mais uma vez observa-se a falácia da janela quebrada: investir em uma coisa significa não investir na próxima melhor opção. Exemplos recentes mostram que empresas atuando no livre mercado podem fazer mais, melhor e com menos desperdício do que governos, inclusive quando o assunto é exploração espacial.

4. Capitalismo leva a produção de coisas duvidosas

Mais uma vez este é um argumento de orientação subjetiva. Aquilo que é duvidoso para um individuo pode ser bom para outro. Há aqui a velha máxima de que “o capitalismo produz necessidades artificiais”. Conforme Voltaire respondeu a Rousseau mais de 200 anos atrás, este argumento não se sustenta. O que é uma “necessidade artificial”? Tesouras são necessidades artificiais? E sabão? E pasta de dente? Porque seres humanos viveram por séculos sem estas coisas. Conforme já foi observado por Joseph Schumpeter, a grande virtude do capitalismo é justamente trazer conforto a baixo preço não para reis e rainhas, mas para as pessoas mais simples em uma sociedade. Ainda que alguns possam considerar certos produtos de consumo duvidosos. Apenas não comprem.

Referências:

3 Myths of Capitalism (YouTube)

Top 3 Myths about the Great Depression and the New Deal (YouTube)

Common Objections to Capitalism (YouTube)

O capitalismo explora os trabalhadores?

Um dos argumentos contra o liberalismo econômico que tenho ouvido recentemente (ou contra a liberdade de mercado, com pouca ou nenhuma intervenção do estado) é que as relações entre patrões e trabalhadores são desiguais, e logo então desfavoráveis para os trabalhadores; cabe ao estado intervir a favor dos trabalhadores; o liberalismo econômico não é bom para os trabalhadores. Tenho dificuldade com este argumento, pois ele passa a ideia de que os patrões não trabalham. Seja como for, acredito que posso aceitar parte do que está sendo dito: é lógico que alguns patrões irão tentar pagar o pior salário possível aos trabalhadores para conseguir os maiores lucros possíveis. É lógico que muitos patrões irão ver qualquer investimento em segurança, bem estar, saúde e outros “direitos” como gastos incômodos, e irão tentar evitar estes gastos. É lógico que o trabalhador está pleiteando a vaga, e neste sentido está à mercê do patrão que a oferece. Tudo isto é não apenas lógico, mas empírico. Pessoalmente já vi estas coisas acontecendo “com estes olhos que a terra há de comer”. Há patrões que irão tentar fazer todas estas coisas e outras ainda, aproveitando-se da situação vulnerável dos trabalhadores. Irão tentar. Mas irão conseguir?

Segundo me parece, uma forma de evitar que patrões se aproveitem da situação vulnerável dos trabalhadores é apelar para a caridade dos patrões. Embora eu suspeite que esta abordagem possa soar romântica para muitos, o fato é que empiricamente ela funciona com alguma frequência. Historicamente, foi o cristianismo de muitos empresários que possibilitou a melhora das condições de trabalho na Europa e Estados Unidos durante o primeiro século de Revolução Industrial. Portanto, esta é uma abordagem que, acredito, não deve ser desconsiderada.

Uma segunda forma de evitar que patrões se aproveitem da situação vulnerável dos trabalhadores é criar leis trabalhistas. Ao invés de esperarmos que os patrões sejam voluntariamente bons, podemos usar a violência legítima do estado para força-los a serem bons. Esta abordagem possui efeitos positivos, mas também muitas consequências inesperadas. Basicamente o objetivo de qualquer lei é tornar os relacionamentos humanos mais padronizados. Uma maneira mais negativa de dizer a mesma coisa é falar que leis engessam a sociedade. Leis trabalhistas criam “direitos”, mas também impedem que trabalhadores e empregadores negociem voluntariamente outras possibilidades de relacionamento. Um exemplo bastante conhecido é o salário mínimo, que contra intuitivamente prejudica os trabalhadores mais do que os ajuda. Finalmente, leis só fazem sentido caso sejam amparadas por um estado. E com mais leis, mais estado. Nossa relação com o estado já é por definição desigual: o estado possui o monopólio do uso legitimo da violência; nós não. Aumentar o tamanho do estado é aumentar nossa vulnerabilidade dentro de uma relação desigual, o que vai contra exatamente o que está sendo discutido aqui.

Uma terceira forma de evitar que patrões se aproveitem da situação vulnerável dos trabalhadores é a liberdade econômica. Sim, como eu comecei dizendo, é lógico e empírico que alguns patrões irão tentar se aproveitar de situações de vulnerabilidade dos empregados. Mas irão conseguir? Numa sociedade orientada pela liberdade de mercado, é mais provável que não. Com liberdade de mercado, a tendência é o surgimento de concorrência, além de uma maior diversidade de atividades econômicas. Neste cenário, patrões que procurem abusar dos trabalhadores correm o rico de perder os trabalhadores para outros patrões. Mesmo no cenário improvável de todos os patrões serem abusivos, tratar bem os trabalhadores torna-se um imperativo para manter os lucros. A alternativa seria um acordo geral dos patrões abusivos, mas isto tornasse empiricamente infactível numa sociedade progressivamente marcada por liberdade de escolha. Uma última observação nesta lista muito longe de exaustiva de benefícios do livre mercado para o trabalhador é que no livre mercado a tendência é de aumento da produtividade. E nada está mais ligado a aumentos de salários do que aumento de produtividade. De fato, onde há liberdade de mercado os salários aumentam, assim como o poder de compra.

Em resumo, sim, há patrões que se aproveitam das relações desiguais com trabalhadores para exercer poder sobre estes mesmos trabalhadores. Isto é não apenas lógico, mas empírico. Mas qual é a melhor solução para este problema? Apelar para a boa vontade dos patrões? Criar leis que deem aos trabalhadores mais direitos? Favorecer uma maior liberdade de mercado? Minha resposta é: criar leis que favoreçam maior liberdade de mercado, e ao mesmo tempo apelar para a boa vontade dos patrões, até porque num cenário de maior liberdade econômica, patrões abusivos estão indo contra seus próprios interesses.

 

Referências:

O capitalismo explora os trabalhadores?

Alguns mitos, equívocos e objeções comuns ao capitalismo

No meu último post ofereci uma definição de capitalismo baseada nos conceitos de escolha pessoal, trocas voluntárias, liberdade de competição e direitos de propriedade privada. Em resumo, um capitalismo liberal ou uma sociedade de livre mercado. Neste post eu gostaria de começar a desfazer alguns mitos, equívocos e objeções comuns ao capitalismo (se entendido nos termos que defini anteriormente). A lista não é exaustiva, mas acredito que cobre bastante terreno da discussão. Aí vai:

  1. Ser pró-capitalismo é ser pró-grandes corporações.

Adam Smith observou que empresários dificilmente se encontram para eventos sociais, mas que quando se encontram não conseguem evitar combinar meios de evitar a mútua concorrência. Empresários (especialmente donos de grandes corporações) tendem a não gostar de concorrência. É compreensível. A maioria de nós também preferira não ter colegas de trabalho com quem competir, assim como vários corredores hoje gostariam que Usain Bolt não existisse. O capitalismo liberal, no entanto, é um sistema de perdas e ganhos. Numa economia verdadeiramente livre de intervenção do estado é improvável que corporações se tornem desproporcionalmente grandes. A tendência é ao nivelamento.

  1. O capitalismo gera uma distribuição de renda injusta

Uma das grandes objeções ao livre mercado é a desigualdade de renda. No entanto, nenhum sistema econômico na história foi tão eficiente em retirar pessoas da pobreza quanto o capitalismo. Numa economia verdadeiramente livre a desigualdade existe e é basicamente inevitável, mas não é nada quando comparada a sociedades que optam pelo controle estatal da economia. China, URSS e Cuba são os países mais desiguais da Terra.

  1. O capitalismo é responsável por crises econômicas, incluindo a mais recente

A crise de 2008 foi causada por intervenção do governo norte-americano nos setores bancário e imobiliário. Sem intervenção do governo, instituições financeiras teriam um comportamento mais cuidadoso e a crise seria evitada. A mesma observação vale para basicamente qualquer crise econômica dos últimos 200 anos.

  1. Capitalismo explora os pobres

A livre concorrência, por definição, não é um sistema de exploração. Quando eu pago cem reais por um par de sapatos, isso significa que eu valorizo mais o par de sapatos do que os cem reais. O sapateiro, por sua vez, valoriza mais os cem reais do que o par de sapatos. Isso não quer dizer que não existam vendedores inescrupulosos, ou que não existam compradores injustos. Mas numa sistema de livre concorrência as possibilidades de fraude são mitigadas justamente pela concorrência: se o produto ou serviço não agrada ao consumidor, há sempre a possibilidade de procurar a concorrência. Em resumo, no capitalismo o consumidor é rei. Para concluir este ponto, apenas uma observação: o salário é nada mais do que o preço que se paga pelo trabalho de uma pessoa. E as mesmas observações se aplicam.

  1. Capitalismo é injusto

Algumas pessoas nascem com deficiências. Algumas pessoas nascem em famílias pobres ou desestruturadas. Isso é injusto? Por quê? Uma definição clássica de justiça é “dar a cada um o que lhe é devido”. O que nós é devido? O que nós merecemos? Eu merecia ter nascido com boa saúde? O que eu fiz para merecer isso? Estas perguntas facilmente nos levam a grandes indagações filosóficas e teológicas, e logo demonstram o quanto a acusação de injustiça numa economia livre é superficial. Ainda assim, nenhum sistema político ou econômico permite a ajuda aos desfavorecidos como o capitalismo. Se você considera injusto que existam pessoas sem dinheiro, sem saúde ou sem famílias estruturadas, sugiro que seja coerente e use mais do seu tempo e dinheiro para ajudar estas pessoas. 

  1. Capitalismo não traz felicidade

Pensando num sentido aristotélico, felicidade possui significados diferentes para cada um. Para um cristão significa ter um relacionamento pessoal com Deus através de Jesus Cristo. Provavelmente um não cristão não irá concordar com este conceito de felicidade. Dito isto, a liberdade econômica não tem como objetivo trazer felicidade para qualquer pessoa, e assim é injusto culpá-la por algo que não propõe fazer. Porém, dentro de um sistema de liberdade econômica a tendência é que a liberdade para a busca da felicidade também esteja presente. Além disso, com liberdade econômica é mais provável que consigamos buscar nossa felicidade através da criação de uma família, do envolvimento com instituições religiosas, ou mesmo ficando ricos simplesmente.

  1. Capitalismo não é estético e é poluidor

Os países mais poluidores do século 20 foram URSS e China. Proporcionalmente ao tamanho da sua população, EUA está longe do topo desta lista. Quanto ao fator estético, sugiro pesquisar por imagens da Alemanha Ocidental e da Alemanha Oriental, ou da Coreia do Sul e da Coreia do Norte. Dizem que a beleza está nos olhos de quem vê, mas me parece bastante óbvio que esta acusação estética é simplesmente falsa.

  1. Corporações são cheias de escândalos e extorsão

Com certeza elas são. Mas possuem o mesmo nível de corrupção de governos? A matemática é bastante simples: quanto mais governo, mais corrupção. Além disso, com uma corporação é possível simplesmente levar o dinheiro embora dali. Governos não são tão permissivos com evasão de impostos. A proposta de criação de mais sistemas de vigilância governamental apenas aumenta o tamanho do governo e as possibilidades de corrupção. A ideia de transparência e de consulta popular também é simplesmente falsa: a não ser que possamos passar 24 horas de nossos dias vigiando os governantes, estes sistemas simplesmente não terão possibilidade de funcionar. A solução mais simples continua sendo menos governo.

Há mais alguns tópicos que podem ser acrescentados e que deixarei para um futuro post. Por enquanto basta dizer que capitalismo (definido como livre mercado) pode ser bastante diferente daquilo que popularmente se entende.

Para saber mais:

https://www.youtube.com/watch?v=KGPa5Ob-5Ps

https://www.youtube.com/watch?v=ZgiLF48w7uQ

O que é capitalismo?

O Brasil é capitalista? O capitalismo é culpado por vários problemas que observamos no Brasil? E outros países? A China é hoje um país de economia capitalista, ainda que com política socialista (ou comunista)? O capitalismo prejudica os mais pobres enquanto beneficia os mais ricos? Estas são algumas questões com as quais me esbarro regularmente. Algumas pessoas mais sofisticadas observam que não há apenas um capitalismo, mas vários: o capitalismo brasileiro é diferente do sueco, que é diferente do japonês, que é diferente do norte-americano, e assim por diante. Vejo alguma pertinência nesta observação, mas penso que ela ainda deixa de lado a questão mais básica e fundamental: o que é capitalismo?

Suponho que sem recorrer a qualquer fonte podemos concluir que capitalismo é algo relacionado a capital. Segundo o Palgrave Macmillan Dictionary of Political Thought, de Roger Scruton, “o capitalismo é um arranjo econômico, definido pela existência predominante de capital e trabalho assalariado”. De acordo com esta definição, no capitalismo alguns ganham salários e outros ganham lucros. Capital por sua vez é definido como “os meios de produção produzidos, ou seja, commodities que foram produzidas e que por sua vez podem ser empregadas na produção de outras commodities”. Em outras palavras: capital são recursos que são empregados na produção de mais recursos. Capitalismo é um sistema econômico (e não predominantemente político ou social ou cultural) que gira em torna da alocação destes recursos.

Partindo de uma forma de pensar semelhante, Milton Friedman observou que todos os países são capitalistas. Os EUA são capitalistas. A China é capitalista. A URSS é capitalista (Friedman estava fazendo esta observação ainda no período da Guerra Fria). Não há país (ou sociedade) onde não haja capital e onde não ocorram decisões sobre como alocar o capital. Há bastante tempo Max Weber fez uma observação semelhante, afirmando que alguma forma de capitalismo esteve presente em todas as civilizações, com a diferença que mais recentemente o Ocidente produziu um capitalismo moderno, com características peculiares. Mas voltando para Friedman: todos os países são capitalistas. A questão é: quem controla o capital?

A pergunta de Friedman lembra uma observação de Friedrich Hayek: durante o período da Guerra Fria era comum afirmar que a economia da URSS era planejada, enquanto que a economia dos EUA não era. Mas esta afirmação está errada: ambas economias eram planejadas. A da URSS por um pequeno grupo de pessoas em Moscou; a dos EUA por milhões de indivíduos espalhados pelo país. O ponto de Hayek é que uma economia necessariamente envolverá decisões sobre como alocar capital (ou recursos). A questão é: quem tomará estas decisões? Um grupo de governantes num comitê centralizado, em nome de toda a população? Ou a própria população, numa esfera mais modesta, dentro de suas próprias vidas?

Adam Smith é popularmente considerado o pai do capitalismo (e também da Economia como disciplina acadêmica, além do liberalismo econômico. Adam Smith teve muitos filhos). Curiosamente, Smith não usou o nome capitalismo em seus escritos (este nome seria cunhado mais tarde por marxistas – o próprio Marx também não usou este nome, ao menos não regularmente), mas falava sobre sociedade de mercado. A observação de Smith era que em tempos recentes mais pessoas estavam se tornando mercadores. Em tempos antigos (sobretudo na Antiguidade Clássica de Grécia e Roma) as relações econômicas eram dominadas por donos de terras e escravos. Havia mercadores (ou comerciantes), mas estes ocupavam um espaço menor na sociedade (e também eram vistos com desconfiança por não produzirem nada – apenas trocarem o que outros produziram). Na Inglaterra do final do século 18 mais pessoas eram comerciantes, isto é, trocavam alguma coisa, ainda que “alguma coisa” fosse sua força de trabalho em troca de salários. Neste sentido, Smith não inventou o capitalismo moderno: apenas observou e descreveu seu nascimento – além de suas vantagens diante de outros arranjos econômicos.

Partindo de Adam Smith e chegando a Friedman e Hayek, podemos observar quatro elementos fundamentais do capitalismo moderno (ou do liberalismo econômico, ou as sociedade de mercado, ou do livre mercado): escolha pessoal; trocas voluntárias; liberdade para competir em mercados; direito de propriedade privada. A escolha pessoal se refere às decisões individuais que se toma a respeito dos recursos individuais (devo sair para trabalhar hoje? Ou devo ficar em casa?). Trocas voluntárias se refere ao fato de que posso livremente trocar meus recursos com outra pessoa que queira fazer o mesmo (havendo uma coincidência de vontades). Liberdade para competir significa que posso oferecer meus serviços (ou produtos, ou talentos) e aguardar que haja interessados. Propriedade privada se opõe a propriedade coletiva ou comunal, geralmente sob controle do estado.

Uma forma mais direta de sistematizar a teoria de Smith (e neste ponto de Friedman e Hayek) é dizer que no livre mercado a propriedade é privada (e não coletiva ou comunal) e o trabalho e assalariado (e não escravo). Mais simples ainda, o livre mercado opera pela máxima de “não faça aos outros o que você não gostaria que fizessem com você”, ou “não mexa com quem está quieto”. No livre mercado os indivíduos são livres para fazer trocas voluntariamente com outros indivíduos – que queiram voluntariamente fazer estas trocas, havendo coincidência de vontades.

Há muitos economistas que consideram que a sociedade de mercado é mais um tipo ideal do que uma realidade. Alguns países estão mais próximos desta ideal do que outros, e neste sentido é válida a observação de que há variedades de capitalismo. O capitalismo praticado no Brasil (ou na China) não é (nunca foi e nunca chegou perto de ser) o capitalismo liberal descrito ou almejado por Smith, Friedman e Hayek. O capitalismo praticado nos EUA está mais próximo disso, embora esteja num franco afastamento deste ideal há várias décadas.

Saber o que é capitalismo é um primeiro passo para sabermos se este é um modelo que desejamos ou não. Pretendo nos próximos posts continuar este assunto. Por ora, digo apenas que quando falo a respeito de capitalismo estou pensando na sociedade de mercado descrita ou almejada pela tradição liberal. Caso o que temos no Brasil seja capitalismo, certamente não é este capitalismo que defendo.