Despedida

Pois é, pessoal. Tenho que agradecer ao convite do Brandon, mas desde o início, com tanta coisa para fazer, eu sabia que não iria conseguir colaborar muito aqui. Deu no que deu: tenho que me despedir porque não quero manter um compromisso que não consigo cumprir. 

Boa sorte ao blog e, mais uma vez, obrigado!!

A cultura e os direitos de propriedade

Algumas observações sobre esta relação aqui. Como não tenho tempo para um estudo muito mais aprofundado sobre as variáveis no momento, fica aí a correlação e alguns comentários sobre a mudança cultural que, espero, ocorra no Brasil devido ao suposto maior liberalismo dos jovens.

Choques reais e choques monetários…juntos – observações aleatória sobre bitcoin, Lucas, Marschak e, claro, política monetária

One source of difficulty in formal empirical studies of monetary policy effects on real variables has been the common practice of focusing attention on real responses to policy innovations—i.e., unexpected components —in vector autoregression (VAR) studies. [McCallum, B.T., here]

O que dizer da distinção entre choques reais e monetários quando o governo norte-americano, de forma inteligente, aceita a inovação do bitcoin?

Pois é. A criação do bitcoin e similares é um choque tecnológico, mas é também um choque monetário. Digo, você injetou mais moeda de forma descentralizada e temporalmente aleatória na economia. A princípio, isto tornaria a oferta de moeda mais instável do que a demanda, penso.

Bem, como seria de se esperar, políticos, que são tão racionais quanto nós, facilitaram o fluxo de bitcoins…para eles.Seria legal agora que pudéssemos investigar uma galera da Papuda. Será que eles têm bitcoins também?

Old bottles…

Suspeitas à parte, a questão sobre como medir o choque monetário do bitcoin é algo a ser pensado, não? McCallum já chamava a atenção para a dificuldade, em termos do debate acerca da demanda de moeda (a equação (4) do texto, reproduzida a seguir) e dos choques tecnológicos já em 2002.

mt −pt = γ0 +γ1γt +γ2Rt +εt

Agora que você se lembrou da famosa equação, eis o trecho interessante:

Indeed, it would seem almost to suggest the opposite—for the theoretical rationale for (4) is built upon the transaction-facilitating function of money, but the technology for effecting transactions is constantly evolving. And since technical progress cannot be directly measured by available variables, the effects of technical change (not captured by a deterministic trend) show up in the disturbance term, εt. But the nature of technological progress is such that changes (shocks) are typically not reversed. Thus one would expect a priori there to be an important permanent component to the εt process, making it one of the integrated type— and thereby making mt −pt not cointegrated with yt and Rt.

Podemos ver que McCallum, ao discutir a questão do progresso tecnológico, deu-nos uma pista para como poderíamos começar a entender o problema. Temos que estudar mais séries de tempo, cointegração e pensar melhor no sistema de equações que usamos. Ok, não é um conselho fácil, mas nem inventar o bitcoin foi fácil, não é?

Fica esta dica para o debate sobre o choque que é (ou os choques que são) a introdução do bitcoin no modelo.

Mas vamos aproveitar que o autor é bom e citar outro trecho!

“Eu já sabia. Pelo menos o Lucas deve ter lido meu artigo…”

Ah sim, em um outro excelente momento do texto, ele mostra seu conhecimento da evolução histórica do pensamento econômico. Vejam que trecho ótimo:

Now clearly the switch from the fixed-lag to the rational expectations hypothesis was the consequence primarily of theoretical, rather than empirical, analysis. At the time it seemed a rather drastic step, but after the fact it has come to be recognized as an entirely natural extension of the usual approach of neoclassical economic analysis to an area of economic activity (expectation formation) that had previously been treated in a non-standard manner. Today, many economists trained after 1980 appear, empirically, to have difficulty in even contemplating any other expectational hypothesis. Also, it should be remembered that Lucas’s critique itself was not new, but merely a (brilliantly persuasive) application of Marschak’s (1953) fundamental insight that policy analysis requires a structural (as opposed to reduced-form) model.

Marschak é um autor bem mais antigo, nascido em Kiev (Ucrânia, Putin, Ucrânia…) e, como você pode ver, não era um sujeito qualquer. Não digo para sair por aí correndo para ler artigos dele, mas pense na questão que sempre destaco aqui: a importância do capital humano na formulação e condução da política monetária. De certa forma, o genial Bryan Caplan já pensou em algo assim quando publicou aquele artigo que sempre cito aqui sobre a idea trap (versão para iniciantes aqui, para alunos que já fizeram pelo menos um ano de curso e não temem as letras do alfabeto em combinações algébricas aqui).

Só para você ter um gostinho do que Caplan intuiu:

The current paper presents a simple political– economic model of the interaction of growth, policy, and ideas to explain this puzzle. Growth, policy, and ideas are mutually reinforcing, given a key assumption about the impact of growth on ideas. Countries tend to have either all ‘‘good’’, all ‘‘mediocre’’, or all ‘‘bad’’ values. An important implication is that social forces do notinexorably drive economically unsuccessful countries to reform. In my model, policy ‘‘turn-arounds’’ instead arise due to large random disturbances that shock economies into better equilibria. While this conclusion is somewhat counterintuitive, it is much more consistent with the empirical failure of the convergence hypothesis than the optimistic ‘‘learning’’ model (Williamson, 1994a).

Pense nisto um pouco. Não é o que ocorre no Brasil? Sai uma equipe econômica que coloca a economia no lugar, entra outra que parece não ter lido nem um livro-texto básico. Não há porque a política econômica ser sempre melhor do que a anterior porque ela é feita por seres humanos. Logo, diria o leitor de Buchanan, precisamos de amarras constitucionais para não dependermos de anjos, né?

Eu adoraria falar mais disto, mas notei que isto está se transformando em outro post. (a ser publicado em De Gustibus Non Est Disputandum)

Quer menos jornalistas assassinados?

Hoje um blogueiro (jornalista) publicou uma estatística aterradora para os brasileiros: o número de jornalistas assassinados no Brasil, em 2014, é comparável ao número de mortes no Iraque.

Infelizmente, ele não explora a notícia em detalhes. Bem, para ajudar no debate, ofereço algumas observações sobre a liberdade de imprensa, a liberdade econômica e outras coisinhas. Aqui.

Institutions and the GDP

Just playing around with the MIT’s Pantheon and the Development Economics (click on it to enlarge the plot).

Well, I know correlation is not the end of the (hi)story. Maybe it’s just the starting point. The “lpib2000” is the log of the GDP in 2000 (used in several papers, I know) and the “panteon_rank” is just as it says.

So, if you think this is interesting, well, you saw it first here. ^_ ^

Instituições e Cultura do Capitalismo de Compadres

Lá, em meu blog, um breve comentário sobre o novo índice da The Economist.

Mais guerras, mais crescimento econômico? Não!

É importante que instituições liberais sejam construídas sobre sólidos fundamentos teóricos. Imagino que uma deles seja o de que não devemos sobreestimar o suposto impacto positivo de guerras sobre a prosperidade.